Baú de Memórias

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Progressosde de Pederneiras 1932

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Artigo do jornal “A COMARCA” Nº. 212 de 15 de Maio de 1932 dirigido por Antonio Moreno, destacando o desenvolvimento pelo qual a cidade vinha alcançando na época. (Com atualização ortográfica).

Progressos de Pederneiras

 

Antes de ser instalada a nossa comarca, a cidade era toda lama e pó. Este quando vinha a seca e aquela quando chovia.
Nenhuma rua calçada, com os passeios disformes, o transeunte sofria horrivelmente dentro de nossa cidade.
A estrutura da cidade era horrenda, pelo seu casario velho, sem estética e suja.
Parecia Pederneiras naquele tempo, uma dessas cidades plantadas no seio do interior brasileiro pelos nossos antepassados.
E por que motivo jazia assim a nossa cidade, sendo sede de um riquíssimo município?!
Seria o pouco caso dos poderes públicos ou a inércia de seus moradores?
Aqui não se cogita responde-lo.
Logo que se instalou a comarca, um sopro de vida nova começou a despertar e a agitar as tendências progressistas do povo que se achavam adormecidas.
Foi assim que o operoso prefeito de então Dr. Fausto Furlani, colocou em concorrência o calçamento da cidade, tendo a Câmara adotado a proposta de um dos concorrentes, que logo firmou seu contrato com o prefeito.
Não demorou muito a execução do calçamento, que marcou o inicio de uma nova era para o progresso de Pederneiras.
Embora não continuasse no cargo, onde sempre mostrou grandes aptidões de administrador, o Dr. Fausto foi substituído pelo Sr. Serafim Ferreira dos Santos, que, compreendendo o alcance daquela bela iniciativa, continuou-a com dedicação e coragem na tarefa que era por todos aplaudida. Assim, com o seu tino de administrador conseguiu calçar o centro da cidade.
Foi uma obra gigantesca, essa que muito honra os dois prefeitos: Fausto e Serafim.
Mais não era só no calçamento que residia o progresso da cidade. Tornava-se necessário a modificação da sua fisionomia arquitetônica.
Antes, diziam, o pó e a lama impediam construções modernas, mas, vindo calçamento não havia mais motivo para desculpa. E assim veio logo um belo prédio do Dr. Assis (Francisco de Assis Nepomuceno). Foi uma amostra, foi um incentivo. E o Domingos Ghiraldelli construiu em seguida a sua vistosa casa, que passou ao domínio e residência do Sr. Orsi. Pequenos bangalôs foram surgindo, semeados, por todos os cantos da cidade.
E assim ninguém queria ficar atrás um do outro no progresso.
O Chafik adquiriu com seus irmãos um terreno no largo da matriz e nele fez edificar um magnífico e elegante palacete.
Veio outra construção, na Avenida Tiradentes. Era o Dr. Castro Carvalho que mandara o construtor Bigeli a edificação de sua vivenda. Todos param em sua frente para contemplá-la, pois que assim o faz para admirar o mais belo bangalô que deslumbra os nossos olhos nesta cidade.
Em seguida o Chico Afonso constrói o seu majestoso palacete, que empolgam a todos que passam pela Rua João Pessoa (Rua Nove de Julho).
Não somente quis o governo benemérito do Dr. Julio Prestes dar-nos a Justiça pronta e imediata com a criação da comarca, como mandou construir o templo em que ela devia imperar soberanamente com todo o esplendor de sua magnificência!
Foi o belo edifício do FORUM que fez erguer e que agora já se acha completamente acabado.
É ele um edifício lindo e de rica construção.
Quis assim aquele operoso governo deixar também nesta cidade, como fez por todo o Estado, traços indeléveis de sua dedicação e amor por São Paulo.
Que todos os capitalistas, ou mesmo os que não sejam, mas que tem suas economias, imitem os pioneiros acima mencionados do progresso de Pederneiras, construindo nesta cidade edifícios dignos de serem vistos, e que lhes proporcionem conforto.
No largo da Igreja, por exemplo, já não comporta mais quase todo o casario que nele existe. Torna-se necessário que seja ele jogado abaixo e nos seus lugares surjam palacetes como o do Chafik, para assim lhe dar uma fisionomia majestosa e risonha.

Fonte: Arquivo Histórico – Centro Cultural Izavam Ribeiro Macário.
Pesquisas: Rinaldo T. Razuk.

Actualizado em Terça, 29 Dezembro 2009 00:28  


Estatísticas

Membros : 5
Conteúdo : 66
Favoritos web : 6
Visualizações de conteúdos : 412899

Galeria de Imagens