Baú de Memórias

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Histórico de Prefeitos

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Histórico dos Prefeitos


Prefeitos Municipais a partir da criação do Município em 22 de Maio de 1891.

1891-1893 - Leopoldo Clementino Moreira (Intendente)
Descendência do primeiro prefeito de Pederneiras, Leopoldo Clementino Moreira: Pai de Virgulino Clementino Moreira, marceneiro e proprietário de funerária na Av. Tiradentes. Casado com Rosa Fornazari, teve cinco filhos: Nelson, que manteve a funerária; Nair, do lar; Carlos, bancário; Mario, advogado. Todos transferiram residência para outras localidades. Permaneceu em Pederneiras, Alberto Clementino Moreira que participou da FEB durante a segunda guerra mundial, foi professor do Ginásio Anchieta e da Escola Técnica de Comércio Anchieta, advogado e vereador no quadriênio de 1956 a 1959, sendo presidente da Câmara em 1956 e reeleito, exerceu o mandato de 1960 a 1963.
Alberto Clementino casou-se com Tereza Figueiredo e teve quatro filhos: Carlos Alberto, médico ortopedista; Cláudio Roberto, médico ginecologista; Neusa Maria e Nilceia Maria Clementino, comerciantes.

1894 - Cel. Manoel José Coimbra (Intendente)
O Distrito, Município e Comarca de Pederneiras teve em Cel. Manoel José Coimbra um dos principais articuladores nas primeiras campanhas criadas que culminaram com a criação do Distrito de Pederneiras em 1889 e Município em 1891. Em 1894 já trabalhava incansavelmente em campanhas pró-criação da Comarca de Pederneiras, só instalada em 1928. Cel. Coimbra foi um dos primeiros vereadores de Pederneiras, já representava a Vila de Pederneiras na Câmara Municipal de Lençóis em 1889. Em 1891, quando foi criado o município, continuou como vereador até o ano de 1898. Em 1894 foi intendente, cargo correspondente ao de Prefeito Municipal. Cel. Manoel José Coimbra faleceu em 4 de julho de 1912. Cabe-lhe com inteira justiça o título de Fundador do Município.

1895 - Claudino José Pereira (Intendente)
1896-1898 - Joaquim Antônio Esteves ¨
1899-1900 - Dr. Alberto Penteado ¨
1901 - José Alves da Silva ¨

190l-1909 - Dr. Joaquim de Sales
Coube ao Dr. Joaquim de Sales, a iniciativa dos principais serviços de melhoramentos público da cidade. Construiu a primeira ponte de madeira sobre o ribeirão Pederneiras na atual Av. Tiradentes em 1903, serviço executado por José Maria Paiva e Pedro Bigeli e outros. Na época as pontes eram construídas de madeira. Em 1904 elaborou os primeiros 3.000 metros de guias e sarjetas, instalou o primeiro centro telefônico em 1905 e construiu o primeiro reservatório d’água que se localizava na Travessa Anchieta onde atualmente estão as várias repartições da Prefeitura Municipal. Estendeu a primeira canalização para abastecimento de água na cidade.

1909 - José Hilário e Silva (Interino)
José Hilário e Silva nasceu em Três Corações, Minas Gerais, sendo adotado pela Sra. Maria Cintra. Estudou em colégios particulares de Belo Horizonte. Já viúvo e com os filhos João Hilário e Silva e José Lázaro Hilário e Silva, mudou-se para Iacanga onde se casou em segundas núpcias com Maria Dias Silva com a qual teve três filhos: Lázara, Nelson e Estanislau Hilário e Silva.
Mudou-se para Pederneiras onde exerceu as atividades de “guarda-livros”, profissão semelhante ao de atual contador.
Foi vice-prefeito na gestão do Dr. Joaquim de Sales de 1901 a 1909 e de Cândido de Camargo Serra de 1909 a 1919, com ativa participação nessas administrações e também como vereador em nossa Câmara em 1908 e 1909.
Faleceu em Pederneiras em 19 de janeiro de 1960.

 

1909-1919 - Cândido de Camargo Serra
Na gestão do prefeito Cândido de Camargo Serra, Pederneiras assistiu grande impulso, iniciada com a iluminação elétrica em 1910, sendo concessionária a firma A. Pena & Cia., representada pelo Engenheiro Civil Dr. Alfredo Pena, de Agudos, construção da ponte de concreto sobre o Ribeirão Pederneiras na Av. Tiradentes, nova caixa d’água com ampliação da rede de encanamentos para o abastecimento de água, instalação de esgotos e construção o Matadouro Municipal em 1916. Conseguiu junto ao governo do Estado, a construção da Cadeia Pública, colaborou nas iniciativas e na construção do primeiro templo de São Sebastião. Juntamente com seu sogro, Eliazar Rodrigues Braga, contribuiu valiosamente para a consecução do edifício do Primeiro Grupo Escolar de Pederneiras.

1919-1920 - Dr. Rodopiano Neves

1920 – João Nunes Sumares (Interino)

1921 – Dr. Décio Pereira

1921-1922 - José Vicente Arantes (Interino)
José Vicente Arantes nasceu em Aiuruoca, Minas Gerais em 5 de Abril de 1876, filho de Joaquim Thomaz de Arantes e Gabriela Cândida Pereira.
A mãe, já viúva, mudou-se para o município de Pederneiras com o filho José Vicente onde adquiriu a Fazenda Sobrado.
Foi vereador de 1920 a 1932, presidente da Câmara de 1926 a 1930 e prefeito municipal em 1921-1922 e 1924-1925.
Participou ativamente na campanha pela instalação da Comarca de Pederneiras como presidente da Câmara em 1928, da comissão organizadora da Santa Casa nesse mesmo ano e de inúmeras melhorias quando, por seus atos, a cidade teve grande progresso.

1923-1924 – Dr. Francisco de Assis Nepomuceno
O médico Dr. Francisco de Assis Nepomuceno foi prefeito em dois períodos agitados da política nacional. Eleito vereador em 1922, a Câmara o elegeu Prefeito quando duas facções se dividiram em duas Câmaras, havendo intervenção por intermédio do Ministério Público anulando as eleições depois de dois anos.
Nesse período construiu o Jardim da Praça da Matriz e o passeio público central da cidade.

1924-1925 – José Vicente Arantes

1925 - Benjamim Monteiro da Silva
Benjamim Monteiro da Silva nasceu em 21 de Maio de 1886 em Juiz de Fora, filho de Protasio Antônio Monteiro da Silva e Eliza Rodrigues Pereira Monteiro da Silva. Em 1906 mudou-se para o Rio de Janeiro e dali para Três Lagoas onde trabalhou na Estrada de Ferro Noroeste. Casou-se com Tiburcia de Queiroz e mudou-se para Araçatuba adquirindo uma serraria e exerceu os cargos de sub-prefeito e Juiz de Paz. Mudou-se para Pederneiras onde instalou máquinas de beneficiamento de arroz, café e algodão. Foi eleito vereador em 1924 e em Janeiro de 1925 foi nomeado Prefeito. No dia 13 de maio, voltando a Pederneiras após vistorias em obras em Água Limpa (atual Santelmo), em dia chuvoso, ao se aproximarem da ponte sobre o Ribeirão Bauru, o veículo desgovernou-se devido à lama, caindo da ponte e infelizmente vindo a falecer. “Leal e de raro tino administrativo, Benjamim Monteiro deu a Pederneiras exemplo de virtude e civismo” (Olyntho Fraga Moreira - A Tribuna-24/5/1925).

1925 – Alfredo Mendes da Rosa

1926 e 1928 - Fausto Furlani
Nasceu em Povo, Trento, Sul Tirol Austríaco (hoje Itália) em 5 de Fevereiro de 1876, filho de Leonardo Furlani e Maria Merz Bonvecchio Delavitz. Terminando seus estudos em engenharia e topografia, veio para o Brasil em 1897 no navio Equita-Savona, desembarcando em Santos. De São Paulo seguiu para Jaú onde foi contratado para construção de prédio para máquinas de beneficiamento de café, moinho e casas para os trabalhadores. Ali conheceu Virginia Cervi com quem se casou em 20 de outubro de 1900. Construiu em fazendas de Bariri, Jaú e Bocaina. Veio para Pederneiras em 1901 para terminar a divisão judicial da Fazenda Macaco. Construiu sua casa em 1903 e instalou o primeiro telefone particular da cidade em sua residência. Para poder receber títulos profissionais no Brasil, estudou português e fez os cursos de engenharia pela Escola Livre de Engenharia do Rio de Janeiro. Em 1911 seu pai convence Fausto e os seus irmãos Amadeu, Giovani Batista Mario e Valério a construírem o Castelo, iniciado em 1913 e concluído em 1914. Instalou a pedreira Furlani na Fazenda Cachoeirinha com ramal ferroviário em 1924, abastecendo a Estrada de Ferro Noroeste. Foi eleito vereador em 1925 assumindo em janeiro de 1926 quando a Câmara elegeu-o Prefeito. Iniciou inúmeras obras na cidade, como rede de água, estradas e pontes. Teve que entregar o cargo após cinco meses. Recorreu e a justiça lhe deu ganho de causa, reassumindo em fevereiro de 1928, quando deu início ao calçamento das ruas com paralelepípedos, até então ainda terra. Durante sua gestão Pederneiras se tornou Comarca, instalada em 26 de Abril de 1928. Projetou a passagem de nível sob os trilhos da ferrovia. Fausto Furlani faleceu em Pederneiras no dia 14 de Novembro de 1973 com 97 anos.

1926-1928 – Sebastião Braga

1929-1930 – Serafim Ferreira dos Santos
Coube a Serafim Ferreira dos Santos a conclusão do calçamento das ruas centrais da cidade. Era natural de Portugal e veio para Pederneiras em fins do século dezenove. Casou-se com Antilha Gomes e teve quatro filhos: Euclidia, casada com Emilio Pinto Abrantes; Alzira, casada com Carlos Fonseca; Waldomiro e Elza Gomes dos Santos.

1930-1933 – Dr. Francisco de Assis Nepomuceno
Em 1930, Dr. Francisco de Assis Nepomuceno foi elevado pelo governo provisório a cargo de Prefeito. Em outubro de 1932 foi substituído interinamente por 19 dias por Elpidio Antonio Ladeira, nomeado pelo Comandante Militar. Devolveram-lhe o cargo permanecendo até 8 de março de 1933, quando, através de seu procurador Dr. Edmundo de Almeida, transmitiu o cargo ao Dr. Deocleciano Canto Meneses.
Obs: O país passava por um período agitado após a insurreição contra o governo provisório de Getúlio Vargas ocorrido de julho a outubro de 1932. Os municípios paulistas estavam sob ordem militar, através do Interventor Estadual.
O Dr.Francisco de Assis soube manter a paz, a segurança, desenvolvendo um programa administrativo fecundo. Nessa época, fez uma completa remodelação na Praça da Matriz, com alinhamento dos passeios, a elevação dos canteiros e a construção do coreto. Ampliou a rede de águas e esgotos.

1932 – Elpidio Antonio Ladeira (Interino) De 8 a 27 de Out. de 1932.

1933 – Dr. Deocleciano Canto Meneses (Interino) De 8/3 a 16/9/1933.

1933-1936 – Dr. Iracy T. Ubirajara de Oliveira
O Dr. Ubirajara de Oliveira tomou posse em 16 de Setembro de 1933. Criou a primeira feira livre da cidade que era instalada em frente ao Paço Municipal. Um dos grandes problemas da cidade era o fornecimento de água, por isso a renda do precioso líquido foi deixada de fora, livre de ônus. Foi redator dos semanários “A Comarca” a partir de 1928 e “O Jornal”em 1929 com seus colegas Delio de Carvalho e Francisco Neubern Penteado. Advogado e considerado um grande orador, era convidado sempre a fazer suas alocuções em ocasiões solenes.

1936-1937 – Mario Flores
A criação do Ginásio Municipal de Pederneiras deve-se ao Prefeito Mario Flores, instalado em 13 de março de 1937 pela Comissão Organizadora, Srs. Dr. Julio Ramos Kuntz, Caetano Ladaga Pisani e Ildefonso Werner. Com dificuldades na administração pública, sua atividade comercial intensa e debilitado estado de saúde, renunciou ao cargo em 31 de Março de 1937.

 

1937-1938 – Antonio Soares Filho
Antonio Soares Filho deu seqüência ao calçamento nos altos da Av. Tiradentes e as ruas transversais com aproximadamente 10.000 metros de paralelepípedos e construiu a ponte sobre o Ribeirão Pederneiras na Av. Paulista e fez o prolongamento da Rua Cel. Coimbra. Adquiriu terras que foram doadas ao Governo do Estado de São Paulo para instalação do Campo Experimental de Citricultura.

 

1938-1940 – Mario de Barros Camargo
O Prefeito Mario de Barros Camargo assumiu o cargo em Julho de 1938 e construiu o prédio da atual Prefeitura, inaugurando-a em 20 de Novembro de 1940. Era proprietário da Fazenda Itauna dando novo impulso a lavoura do município quando em 1937 iniciou o plantio de cinqüenta mil mudas de laranjas.

1941-1942 – Dr. Joaquim Cortegoso
Joaquim Cortegoso nasceu em 27 de Fevereiro de 1908, filho de Francisco Cortegoso Martins e de Maria Gardiolo. Formou-se médico pela Universidade do Rio de Janeiro. Excelente profissional e foi um dos primeiros médicos da Santa Casa e um de seus diretores clínicos. Em seu governo, a Prefeitura foi um valioso esteio, dando apoio irrestrito à conservação do Ginásio D. Luiz, quando da ordem de fechamento, conseguindo sua reabertura. Influente e respeitado, foi homenageado com seu nome o primeiro Estádio da Associação Atlética Pederneiras e o atual Posto de Saúde da Rua Eliazar Braga.

1942-1944 – Dr. Osny Fleury Silveira
Eleito vereador, o advogado Dr. Osny Fleury Silveira assumiu em 1936 para mandato até 1939, mas com a implantação do Estado Novo em 10 de Novembro de 1937 pelo Presidente Getúlio Vargas, foi extintas as Câmaras de todo o país. Em 1941 Dr. Osny era redator do jornal “O Comércio de Pederneiras”, contribuindo sobremaneira com a imprensa local. Foi a peça chave da caravana pró reabertura do Ginásio em Julho de 1941 quando pronunciou um eloqüente discurso ao interventor Federal Dr. Fernando Costa que em comunicação com o Ministro da Educação Dr. Gustavo Capanema, teve imediatamente atendido com ordem de reabertura do Ginásio. Participou de quase todas iniciativas da sociedade pederneirense da época. Assumiu a Prefeitura em 19 de agosto de 1942. À frente da Prefeitura deu impulso ao fornecimento de água, construindo a casa da bomba na Rua 15 de Novembro com um grande reservatório e sua distribuição alcançando os altos da Av. Paulista até então, sem água. Com essa melhoria, construiu a primeira fonte luminosa da Praça Dr. Joaquim de Sales.

1944-1945 – Dr. Gastão do Amaral Carvalho
De tradicional família paulista, Gastão do Amaral Carvalho nasceu em Jaú no dia 21 de Maio de 1914, filho de José Augusto de Carvalho e Virgilina do Amaral Carvalho. Fez seus primeiros estudos no Colégio dos belgas Cônegos Premonstratenses em Jaú. Formou-se em Direito pela Faculdade de Niterói em 1938. Em 1942 seguiu para Pederneiras onde pretendia exercer a profissão. Nessa ocasião, a família residia na Fazenda Carvalho, onde já em 1928 havia uma fábrica de manteiga em lata de excelente qualidade. Foi advogado da Prefeitura, e em primeiro concurso de Delegado de Polícia, foi aprovado, assumindo a Delegacia de Oriente em 1945. Nesse ano casou-se com Ana Murça Pires e tiveram dois filhos, José Augusto de Carvalho Neto e Murilo Murça de Carvalho. Foi nomeado pelo Governo do Estado, assumiu o cargo de Prefeito em 1944 com apoio unânime da população.

1946 - Valério De Conti
Valério De Conti nasceu em Pederneiras em 16 de novembro de 1909, filho de Attilio De Conti e Adelaide Ferrarezi. Estudou na Escola da Profa. Carolina de Oliveira e quando jovem trabalhou na serraria e nas máquinas de beneficiamento de café e arroz com o pai.
Foi produtor de canteiros de mudas e enxertos da cultura de laranja.
Participou da Diretoria do Aero Clube de Pederneiras.
Casou-se em 8 de setembro de 1935 em Santo André com Maria de Jesus Retz Silva(Nenê) e teve dois filhos: Chantal De Conti, formada em Direito e residente em Catanduva e Julio De Conti, Delegado aposentado, residente em São Carlos.
Após indicação pelo Diretório do P.S.D. local, do Dr. Antonio De Conti, houve a renúncia do Presidente Getúlio Vargas, e com a eleição do General Eurico Gaspar Dutra, os interventores puderam decidir em comum a situação das Prefeituras, nomeando em 29 de dezembro de 1945 o Sr. Valério De Conti, para o cargo de Prefeito, satisfazendo dessa forma, a vontade expressa da maioria dos pederneirenses sob a indicação do Diretório do Partido Social Democrático de Pederneiras, assumindo em 31 de dezembro de 1945 para o período de um ano.

1947 – Afonso Ruiz Romero (Veja 1952/55)

1948-1951 - Dr. Antonio De Conti
Antonio De Conti nasceu em Pederneiras em 10 de Maio de 1911, filho de Attilio De Conti e Adelaide Ferrarezi. Cursou o primário no Grupo Escolar de Pederneiras (atual Eliazar Braga), o ginasial e colegial no Colégio São Norberto em Jaú. Formou-se pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Paraná como clínico geral e otorrinolaringologista em 1937. Instalou seu consultório em Pederneiras onde clinicou por 41 anos. Eleito prefeito em 1947, governou a cidade de 1948 a 195l. Foi eleito vereador por dois mandatos consecutivos, de 1952 a1959. Como médico, prefeito, vereador e cidadão pederneirense, colaborava com todos os setores da sociedade: igreja, imprensa, clubes sociais, esportes (tênis, bola ao cesto, futebol, regatas etc.), escolas, sendo inspetor federal do Ginásio Anchieta e escolas de Bauru, Agudos, Lins e São Paulo. Foi um dos diretores clínicos da Santa Casa, presidente do Rotary Clube de 1943 a 1945. Construiu a ponte da Rua Santos Dumont sobre o Ribeirão Pederneiras. Tinha o atributo de grande orador. Casou-se em 1940 com Maria Aparecida Telles Razuk e teve duas filhas: Telma Razuk De Conti e Claudia Razuk De Conti.

1952-1955 – Afonso Ruiz Romero
Filho de imigrantes espanhóis Eduardo Ruiz Sanches e Trindade Romero, Afonso Ruiz Romero nasceu no dia 15 de abril de 1898. Trabalhou com os pais e irmãos no sítio de propriedade da família em Água Limpa (Santelmo) na lavoura e criação de gado, suínos, etc. Para vender o que produziam, acompanhou seu irmão Antonio mudando-se para Pederneiras e instalando comércio de secos e molhados. Casou-se com Soledade Pelegrina Ruiz e tiveram seis filhos: Trindade, Eduardo, Conceição, Cecília, Laura (Àurea) e Nely Pelegrina Ruiz. Construiu o Sanitário Público na Praça da Matriz, o Posto de Puericultura anexo à Santa Casa a cargo do Dr. Pedro Ivo e implantou o Primeiro Posto de Saúde da cidade que funcionava em frente à Prefeitura.

1956-1959 – Michel Neme
Michel Neme nasceu em Pederneiras em 16 de Outubro de 1903, filho de Saleme Neme e Kahla Bayoud Neme. Foi proprietário das Fazendas Santa Lúcia, Itaúna, Canelada, Maturana e mais cinco sítios e olaria. Tinha instalado máquinas para beneficiamento de café, arroz e algodão. Em 1955 foi eleito Prefeito pela primeira vez com mandato de 1956 a 1959 desenvolvendo de imediato obras essenciais como o abastecimento de água, aumentando em 980.000 litros em dois reservatórios, ampliando a rede até as Vilas Paulista, Vista Alegre, Sumaré, Ruiz, América, Modelo, Bandeirantes, Santa Helena, Razuk, Ferraz, Chácara Gobo e instalando rede no distrito de Guainás. Pavimentação de aproximadamente 90.000 metros quadrados de vias públicas. Construções do Segundo Grupo Escolar, novo prédio do Ginásio Anchieta, Delegacia, postos de saúde, Grêmio Operário Pederneirense, remodelação da Praça da Matriz, do cemitério e iniciando a arborização da cidade. As grandes obras teve o apoio do Estado, pelo então Governador Jânio Quadros. Construiu o primeiro núcleo habitacional (D.Pedro I), almoxarifado da prefeitura, pontes da Rua Cel. Coimbra e Rua Belmiro Pereira na cidade e em estradas municipais, prédios de escolas isoladas em Vanglória, Aguinha, Ribeirão Grande, Maná, Bairro dos Macacos, Fazenda dos Patos e Escola Primária de Guainás além da Escola de Iniciação Agrícola e ampliação do Matadouro Municipal. Adquiriu duas motoniveladoras, tratores e compactador de asfalto. Instituiu o Brasão do Município com a Lei Nº. 479 de 23 de Abril de 1957 e criou a Biblioteca Pública Municipal de Pederneiras com a Lei Nº. 497 de 21 de Agosto de 1957.
Com Michel Neme, o município recebeu um impulso de progresso impressionante, iniciando com seu dinamismo, um novo tempo para Pederneiras.

1960-1963 – Antonio Guerrisi
Antonio Guerrisi nasceu no dia 27 de dezembro de 1910 em Arealva, filho de Vicente Guerrisi e Rosina Oriana Guerrisi, imigrantes italianos. Fez o curso primário em Arealva, interrompendo os estudos, pois teve que começar a trabalhar, ajudando o pai no armazém de secos e molhados e padaria. Mudou-se para o Distrito de Boracéia, então pertencente a Itapuí, onde se estabeleceu como comerciante, chegando a exercer o cargo de sub-prefeito. Iniciou-se como comprador de café, algodão e cereais, mudando-se para Itapuí, adquirindo uma chácara onde instalou máquina de benefício de café e arroz. Foi Delegado de Polícia interino de Itapuí sendo convidado ser candidato a prefeito, aceitou e foi eleito para o mandato de 1952 a 1955. Em 1959 foi convidado pela segunda vez a ser candidato a prefeito de Pederneiras, aceitou, foi eleito, e tomou posse no dia Primeiro de Janeiro de 1960, governando a cidade até 1963. Eleito pela segunda vez em Itapuí, assumiu em 1964 com mandato de cinco anos. Em 1989 mudou-se para Pederneiras com sua companheira D. Dilza Carolina Calaf. Antonio Guerrisi faleceu no dia 21 de abril de 1992.

1964-1968 – Michel Neme
Em seu segundo mandato, Michel Neme iniciou a pavimentação asfáltica da Vila Schiavon, fez reformas e ampliação do cemitério, construiu nova escola de Santelmo e casas próprias para os funcionários municipais. Iniciou a instalação da nova iluminação pública através da CESP, inaugurada em 20 de Outubro de 1967 e sua ampliação em 27 de Outubro de 1968, pavimentou e inaugurou a via de acesso à Rodovia Com. João Ribeiro de Barros.

1969-1972 – Willibaldo Fernandes Gil
Willibaldo Fernandes Gil nasceu em Pederneiras em 1º de Novembro de 1931, filho de José Fernandes Gil e Maria Ribeiro.
Iniciou suas atividades como diretor presidente da firma Gil e Cia. Ltda.com filiais em Bauru e Marília. Foi diretor presidente da Comercial Gilar Ltda.em Pederneiras.
Foi proprietário da Rádio Cultura de Pederneiras, vice-presidente da APAE e presidente do Grêmio Operário Pederneirense, Rotary Clube, Associação Comercial e Polícia Mirim.
Em seu mandato como Prefeito, construiu rede de água e esgoto, almoxarifado, escolas isoladas e casas aos funcionários da prefeitura. Fez a pavimentação asfáltica com mais de 70.000 mts., perfurou dois poços artesianos, terminou a construção do prédio do Tiro de Guerra, instalou dois Centros Sociais Comunitários, o Serviço Municipal de Televisão e das primeiras indústrias do parque industrial com doação de terrenos às firmas interessadas. Incentivo ao ensino de grau médio, com subvenções à Escola Técnica de Comércio Anchieta, instalação do Mobral (Movimento Brasileiro de Alfabetização) e ampliação da Biblioteca Pública Municipal.
Adquiriu veículos e viaturas, destacando-se a compra de pá carregadeira e dois caminhões.
Inaugurou o Ambulatório Médico-Dentário da Associação dos Fornecedores de Cana, a Cidade da Criança, o Parque Infantil Municipal e o centésimo quarteirão de asfalto na Rua Duque de Caxias.
Obras em Guaianás: pavimentação asfaltica, construção da praça e instalação da iluminação a vapor de mercúrio.
Obras em Santelmo: Fornecimento de água e saneamento das ruas.
Obras em Vanglória: Fornecimento de água, extensão da rede de energia elétrica e calçamento da Praça.
Incentivo ao turismo com o aproveitamento das belezas naturais do Rio Tietê, com a implantação do Parque Turístico Municipal inaugurado em 28 de janeiro de 1973, contando com praia artificial, serviço de bar e restaurante e vários conjuntos esportivos.
Recebeu o diploma de Honra ao Mérito outorgado pelo Ministério da Educação e da Secretaria de Promoção Social, SESC – Serviço Nacional do Comercio e o diploma “Um dos Melhores Prefeitos entre os 10 do ano de 1971”.
Casou-se em Pederneiras no dia 2 de dezembro de 1956 com Maria Josepha Mulla Gil e teve quatro filhos: Silmara, Siliana, Sileide e Willibaldo Fernandes Gil Junior.

1973-1976 – Michel Neme
Em seu terceiro mandato, Michel Neme inaugurou o prédio do novo Fórum iniciado na gestão de Willibaldo Fernandes Gil, construiu o núcleo habitacional que recebeu o seu nome e iniciou a industrialização com a conquista da Equipamentos Clark (atual Volvo). Ficou famosa a frase “foi comprar uma máquina e ganhou uma fábrica”.
Em todos os mandatos doava seus subsídios como prefeito à Santa Casa, Instituto Coração de Jesus e Escola Técnica de Comércio Anchieta.

1977-1982 – Waldomiro Fernandes Mateus
Waldomiro Fernandes Mateus nasceu em Pederneiras em 21 de Dezembro de 1931, filho de Manoel Fernandes Cara e Thomasia Mateus. Cursou o primário no Grupo Escolar de Pederneiras (atual Eliazar Braga), o ginasial em Jacarezinho e formou-se contabilista na Escola Técnica de Comércio Anchieta em 1956. Nesse mesmo ano iniciou a locução na Rádio Cultura de Pederneiras. Em 1958 adquiriu a Rádio em sociedade com Camel Al-Haj. Através da Rádio, com sua equipe onde participava também Elias Simão, mobilizou a população em suas campanhas pelo Natal das Crianças e escolha da Mãe Pederneirense todo mês de maio. Casou-se em seis de setembro de 1959 com Isabel Veronez. Em 1968 mudou-se para Santos adquirindo a Livraria Atlântica, retornando a Pederneiras após cinco anos. Convidado por Michel Neme concorreu às eleições de 1976 e venceu, assumindo o cargo para o quadriênio 1977/1980 quando houve prorrogação de mandato, permanecendo até 1982. Como Prefeito, construiu o Núcleo Habitacional Dr. Antonio De Conti através da COHAB, as instalações para o SESI na Av. Paulista, ampliou a rede de energia com o projeto “Luz para a Periferia”, deu continuidade ao Natal das Crianças, implantou o sistema de numeração predial criado pelo Prof. Wilson Ruiz Fernandes que entrou em vigor em 1981. Construiu o Ginásio de Esportes, inaugurado em maio de 1981 com o nome de “22 de Maio”, modificado em 1983 para “Antonio Florêncio Pereira”. Em 1992 foi eleito vice-prefeito com Giácomo Metódio Bertolini em mandato de 1993 a 1996.

 

1983-1988 – Giácomo Metódio Bertolini
Giácomo Metódio Bertolini nasceu no dia 27 de fevereiro de 1933, filho de Norino Bertolini e Delfina Trazzi Bertolini. Cursou o primário no Grupo Escolar Eliazar Braga, o ginasial no Ginásio Estadual Anchieta e técnico em contabilidade na Escola Técnica de Comércio Anchieta. Foi produtor rural, caminhoneiro, empresário de desmatamento e terraplenagem além de comércio de tratores. Manteve também a empresa CRIARTE – Parque e Jardins. Foi eleito vereador em 1976 e exerceu o mandato de 1977 a 1982 quando foi eleito prefeito pela primeira vez com mandato de seis anos. Reformou o prédio anexo a Prefeitura para a implantação da Divisão de Obras e Engenharia, Divisão de Recursos Humanos, Junta de Alistamento Militar e Incra. Construções: passagem de nível inferior sob os trilhos da ferrovia na Rua Santos Dumont inaugurada em 28 de outubro de 1988, Centro de Atendimento Médico Municipal, Prédio da Polícia Militar e para a Ciretran, fábrica de blocos e artefatos de cimento, usina de asfalto e amplo almoxarifado, ponte entre os Distritos de Guaianás e Santelmo, padaria e cozinha piloto fornecendo refeições para as EMEIs, EMEFs, escolas estaduais e várias entidades, 1.500 metros de galerias fluviais, l4 Kms de esgoto, o Recinto de Exposições onde é realizada todo ano a festa máxima do Município, a Feira das Nações e outros eventos. Conseguiu a pavimentação dos acessos aos Distritos de Guainás e Santelmo.

1989-1992 – Fernando Antonio Minguili
Nascido em Pederneiras em 23 de março de 1934, Fernando Antonio Minguili é filho de Vicente Juliano Minguili e Marina Martini Minguili. É casado com Maria Diva de Lima Minguili e tem os filhos Cristiane, Valéria e Alessandro e os netos Bruno, Rafael, Vicente e Marina. Iniciou seus estudos do antigo primário no Grupo Escolar Eliazar Braga, passando depois para o Ginásio Anchieta. Concluiu o Curso Colegial (Científico) em Jaú e formou-se em Odontologia, em 1954, na Faculdade de Araraquara. Estendeu o curso universitário na Faculdade de Saúde Pública da USP, em São Paulo. Exerceu as atividades de Cirurgião Dentista em sua clínica particular de 1955 até 1971, quando então passou a fazer dedicação exclusiva no serviço público, inicialmente como Cirurgião Dentista do Assessor Chefe da Grande São Paulo e finalmente como Sanitarista na Regional da Saúde, em Bauru. Como jornalista, com registro de Redator no Ministério do Trabalho desde 1973, passou pelos jornais Folha de Pederneiras, A Notícia, O Roteiro e a Praça. Sua participação na política iniciou em 1959 quando disputou sua primeira eleição vitoriosa como Vereador, reelegendo-se em 1963, exercendo por duas legislaturas o cargo de vereador até 1968, e foi Presidente da Câmara por três anos consecutivos. Nessa ocasião presidiu a Sessão Permanente da Câmara Municipal, em vigília por três dias seguidos, no episódio de grande participação popular que culminou com a encampação da antiga Empresa de Força e Luz Limitada pela Cesp, pondo fim ao sério problema de eletricidade no Município. Foi Vice-Prefeito por duas vezes, de 1969 a 1972 e de 1983 a 1988, sendo que na grave crise de abastecimento de carne bovina em 1986 foi o representante do Município junto ao Frigorífico de Florida, no Uruguai, onde esteve pessoalmente, concretizando a importação da carne diretamente daquele país que era distribuída pelos açougues locais durante todo o tempo em que perdurou a carência do produto. Foi Prefeito Municipal de 1989 a 1992, quando foi responsável pela remodelação da Praça da Matriz, construção de seis Postos de Saúde, o Caic, mais de 1.000 casas populares, conclusão do Terminal Rodoviário e Matadouro Municipal, ampliação do Cemitério, pavimentação asfáltica, estradas vicinais, escolas, centros comunitários, interligação da água e construção de rede de esgoto na Cidade Nova, rede de esgoto no Marajoara e outras realizações. Desapropriou extensa área de terra nas margens do Tietê para a instalação do Porto Intermodal. Foi Vice-Presidente do Consórcio de Municípios da Hidrovia Tietê-Paraná e Secretário Geral da Associação dos Prefeitos do Estado de São Paulo. Participou da comitiva que foi conhecer a hidrovia no Estado do Tennessee, nos Estados Unidos para aproveitamento daquela experiência em nossa hidrovia. Desempenhou também o cargo de Diretor do Departamento Municipal de Administração durante a gestão do Prefeito Dr. Rubens Cury de 1987 a 2004. Foi provedor da Santa Casa por três vezes, e foi o responsável pela construção da Ala de Internação para a atua pediatria e SUS e pela implantação das dependências onde funciona o Pronto-Socorro. É membro da Loja Maçônica desde de 1965 e foi seu Venerável por três vezes. Pertenceu ao Rotary Club de Pederneiras por 38 anos, exercendo também o cargo de Presidente. Participou das diretorias do CRC e Clube Alvorada. Como enxadrista, fez parte de equipe pederneirense que participou dos Jogos Abertos do Interior de Santos, em 1951, foi campeão dos Jogos Universitários Farmo-Odonto, em Ribeirão Preto, em 1954 e foi campeão municipal na década de 1980. É um dos fundadores do Partido do Movimento Democrático Brasileiro – PMDB, exercendo a sua Presidência.

1993-1996 – Giácomo Metódio Bertolini
Eleito novamente em 1992, Giácomo Metódio Bertolini concedeu transporte gratuito para estudantes, iniciou a implantação de distritos industriais, do terminal rodoviário e do programa de desfavelamento em diversas vilas. Reformou o Estádio Antonio Ruiz Romero e construiu o Parque Ecológico. Em sua administração foram construídos os Núcleos Habitacionais Norino Bertolini I e II, Antonio Facciolo e Maria Elena Pereira Bertolini e sua Escola e mais 74 casas para funcionários públicos municipais no Bairro Michel Neme. Casou-se com Maria Elena Pereira e tiveram três filhas, Ivana Maria, Iêda Maria e Yula Maria Bertolini.

1997-2000 e 2001-2004 – Rubens Emil Cury
Rubens Emil Cury nasceu em Pederneiras em 22 de outubro de 1952, filho de Emil Habib Cury e Helena Razuk Cury. Cursou a 1ª série primária na Escola Estadual Senador Rodolpho Miranda em Cabrália Paulista. Da 2ª até a 8ª série estudou na Escola Estadual Benedito Gebara em Duartina e cursou o colegial na Escola Estadual Ernesto Monte em Bauru. Ingressou na Faculdade de Medicina de Marília em 1972, graduando-se em 1977. Em 1978 e 1979 fez residência médica na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e em 1980 especializou-se em Cardiologia no Incor. Ingressou na vida pública em 1989 até 1992, exercendo o cargo de coordenador da Saúde de Pederneiras. Foi prefeito por dois mandatos consecutivos, de 1997 até 2004. Sua atuação foi direcionada para todos os setores, incluindo programas na educação, nos esportes, habitação, saúde e prevenção. Assistência através da Prefeitura Itinerante, recapeamento de ruas e avenidas, centros de saúde e comunitários. Criou o Distrito Industrial às margens do Rio Tietê, conseguindo junto ao governo estadual a pavimentação da estrada vicinal ligando a cidade ao Porto Intermodal tornando-o pólo regional. Expressiva atenção recebeu o setor de saúde, com conclusão de obras da Santa Casa com novas alas, maternidade e novo Pronto Socorro. Casou-se em 1980 com Maria Claudina Gisbert (psicóloga) e teve três filhos: Rubens, médico fazendo residência em Neurologia no Hospital das Clínicas em São Paulo. Maria Elisa, psicóloga fazendo especialização na Universidade Federal de São Paulo. Bruno Gisbert Cury (Falecido).


2005-2008 / 2009-2012 - Ivana Maria Bertolini Camarinha
Ivana Maria Bertolini Camarinha nasceu em Pederneiras no dia 20 de Setembro de 1966, filha de Giácomo Metódio Bertolini e Maria Elena Pereira Bertolini. Fez o pré e o curso primário no Instituto Coração de Jesus, cursou o 1o. Grau na Escola Estadual de Primeiro e Segundo Grau Anchieta de 1977 a 1980. Cursou o Colegial de 1981 a 1983 no Preve-Objetivo em Bauru e fez Pedagogia na UNESP de Araraquara em 1984 e 1985. Cursos Superiores: História – Fundação Educacional de Jaú, Fisioterapia – UNIP – Bauru. Lecionou História na rede Estadual, foi Presidente do Fundo Social de Solidariedade de 1993 a 1996 e Coordenadora da Creche do CAIC em 1995/96. Empresária da CRIARTE -Parques e Jardins. Foi a primeira mulher a ser eleita Prefeita de Pederneiras com mandato de 2005 a 2008. Até a presente data fez melhorias de infraestrutura de ruas e avenidas, mais de quatro mil metros de galerias, o Centro de Atenção a Saúde da Mulher, Centro de Especialidades Odontológicas, Centro de Capacitação e Geração de Renda, Ambulatório de Saúde Mental, Centro de Formação Profissional – SENAI, conquista do novo prédio do SESI, reestruturação dos Postos de Saúde, da antiga Estação Ferroviária para o Centro Cultural, escolas e creches. Deu incentivo aos esportes e revitalização do Parque Ecológico. Ivana Maria Bertolini Camarinha é casada com o Dr. César Antonio Bastos Camarinha e tem dois filhos, Laís e André Bertolini Camarinha.

Pesquisas: Rinaldo T. Razuk.

Actualizado em Terça, 05 Janeiro 2010 01:04  


Estatísticas

Membros : 5
Conteúdo : 66
Favoritos web : 6
Visualizações de conteúdos : 426390

Galeria de Imagens